terça-feira, 24 de agosto de 2010

Balanço da greve dos professores de Jaboatão no dia de hoje

A greve dos professores de Jaboatão começou hoje. Eles reivindicam aumento de salário e melhorias físicas nas escolas (que cá pra gente, estão terríveis). E parece que a briga vai ser feia entre o sindicato dos professores - SINPROJA -  e a prefeitura de Jaboatão.

A secretaria de educação de Jaboatão foi à justiça e conseguiu uma limilar antecipada, proibindo a entrada de manifestantes na sede da prefeitura ou da secretaria. Caso a liminar não seja respeitada,o  SINPROJA terá que pagar multa diária de 1 mil reais. A prefeitura de Jaboatão também ameaça acionar a polícia em caso de ocupação.

Agora pouco, a secretaria de educação divulgou uma nota informando que várias escolas funcionaram normalmente hoje, apesar da greve. A informação oficial ainda não foi comentada pelo SINPROJA. 

Ontem, a prefeitura de Jaboatão abriu inscrição para contratação de estagiários, que deverão substituir os professores em greve.

O movimento dos professores, que busca melhorias na educação do município, tem sido combatido a qualquer custo pela prefeitura de Jaboatão, seja com notas enviadas a impressa, tentando desqualificar o movimento (ligando-o ao PT e ao candidato André Campos), ou com medidas severas, como o corte de ponto dos professores que aderirem a greve.

O blog está acompanhando tudo e manterá você informado durante o dia.

Um comentário:

Geiza Brasil disse...

É lamentável que ainda sejam necessárias situações de conflito como essas existentes em nosso município, mediante a existencia de uma lei.
A Greve que se instalou na categoria dos Trabalhadores em Educação é fruto de um Gestor municipal de grande intrasigência, que apesar dos vários movimentos que vêm ocorrendo no município desde abril deste ano, parece que ainda não percebeu que está lidando com pessoas que realmente impunham bandeiras, mas bandeiras de luta por uma educação de qualidade.
Acusar os trabalhadores e trabalhadoras em Educação de fazer campanha pra algum político específico em suas falações, não é o que ocorre. O que estamos tentando é apenas mostrar que estamos cientes da situação educacional do município e que além disso, a Gestão da prefeitura está esquecendo-se de que os profissionais que fizeram o IDEB do município crescer não foram apenas aqueles com o Magistério ou Normal Médio (os quais ele quer dar aumento de 10%) mas principalmente, aqueles e aquelas que se empenharam em progredir em suas carreiras, cursando graduação, pós-graduação e que totalizam aproximadamente 80% da classe de trabalhadores. Será que mesmo com todas as condições adversas nas quais trabalham, em escolas cada vez mais precárias, sem estrutura adequada nem para eles nem para seus alunos, e que ainda conseguem realizar um trabalho que consegue avançar nos indices de Desenvolvimento da educação básica, estes trabalhadores tem o DIREITO de receber um salário digno. E não ser tratados como bandidos pela Gestão de Elias Gomes. Deixo aqui o meu repúdio a forma como esta Gestão vem tratando a educação e os Trabalhadores que nela atuam.
Achava que o tempo da repressão já tivesse passado.