sexta-feira, 15 de abril de 2011

Três Faixas sempre alagadas em Candeias, Jaboatão dos Guararapes

Do Gazeta Nossa


GAZETA NOSSA - Nem bem começam as chuvas (e esse ano parece que começaram cedo) iniciam também os transtornos pelos quais passa a população da região  metropolitana, ano após ano, com os mesmos problemas e nenhuma solução definitiva. Dizer que recife e Jaboatão estão ao nível do mar ou abaixo dele já virou mais que uma desculpa, um bordão sem graça alguma. Nota-se claramente que o problema é de drenagem. Ruas situadas no mesmo nível muitas vezes tem "comportamento" diferente com relação às chuvas. Enquanto em uma a água flui e segue seu rumo, em outras estaciona e ali fica, insensível aos reclamos da população.

Em Candeias, Jaboatão, a história também se repete. Veja e-mail de leitor da Gazeta Nossa, que também mandou as fotos da situação por que passam:

Moradores e comerciantes da cidade de Jaboatão dos Guararapes, no bairro de Candeias (na Avenida Presidente Castelo Branco, antiga “três faixas”) estão sofrendo pela falta de estrutura da cidade, mais precisamente pelo péssimo sistema de escoamento de água das chuvas. Não há manutenção preventiva e havendo qualquer chuva se formam rios de água suja que permanecem por dias, mesmo quando depois que a chuva para. Imagine no inverno o caos que se formará e os prejuízos. Só existem promessas que nunca são cumpridas. Vários comerciantes da área estão preocupados, pois o movimento diminuiu ou não existe, por motivo óbvio de não haver condições de se locomover até o local, totalmente alagado. Do jeito que vai teremos de comprar barcos para nos locomorvermos.

Local do alagamento:
em frente ao Verde Frut e a Padaria Sampa, num raio de 150 metros.

Gustavo, de Candeias

Um comentário:

ciriaco111 disse...

Se em uma das avenidas principais de jaboatão está assim e nunca foi feito nd imagine os bairros mais humildes.... é uma VERGONHA a gente ter uma das maiores arrecadação de Pernambuco e ter um dos piores índice de Saneamento básico....Quero ver como vai ser com o aumento da população e essa precária infraestrutura em que vivemos.